quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

SOS: QUE TANTA E TAMANHA IGNORÂNCIA CULTIVADA! MY GOD!

SOS I:
AS CRIANÇAS COM DOENÇAS RARAS E A CASA DO MARCO TÊM DE SER IMEDIATAMENTE PROTEGIDAS PELO ESTADO !

SOS II:
ESTAMOS À BEIRA DE UM DESASTRE TOTAL
COMBATE À GUERRILHA INSTITUCIONAL DO PSD E CDS.
O GOVERNO, PS,PCP,BE, AR, PR CUMPRAM O SEU DEVER:
COMBATER A GUERRILHA !
COMBATER A CORRUPÇÃO!

Não sabe tanta e tamanha  gente, que, em Portugal, a CORRUPÇÃO É ALMA DO PORCO NEGÓCIO DE MUITOS POLÍTICOS, GOVERNOS , ASSOCIAÇÕES, BANQUEIROS E GRANDES EMPRESAS, DESDE HÁ DÉCADAS?????
Que soluções para a epidemia estrutural deste estado e deste estado de coisas?
EIA- muito simples, SIMPLESMENTE:
1-
Colocar na agenda politica, como uma prioridade ABSOLUTA , o combate à corrupção que é o cancro que mata a Democracia e alimenta as grandes e porcas negociatas, como muitos outros o têm dito e, pessoalmente, desde 2008, altura em que fiquei livre dos condicionamentos militares o tenho feito , e em  Novembro se 2012, com muita veemência, numa conferência de Paulo Morais, na Associação 25 de Abril , no dia do Funeral de Joaquim Benite ( choveu a cântaros, mas em luto e completamente molhado fui á conferência para pedir e pedi  que se COMBATESSE a CORRUPÇÃO e, já, em 2009 tinha escrito:
CORRUPÇÃO- A BOMBA ATÓMICA CONTRA A DEMOCRACIA .https://liberdadeecidadania.blogspot.pt/…/corrupcao-bomba-a… )
2-
Como diz Manuel Bancaleiro "Portugal sempre foi a este nível um País de corruptos , vigaristas, hipócritas....... 
Se todas as IPSS fossem investigadas, depressa chegariam à conclusão de que a Raríssimas não é coisa rara...vejam quem são as personagens beneméritas que estão ou estiveram sempre agarradas à teta da Raríssimas e tirem as vossas conclusões ."

E como pode essa gente dirigente do PSD ou CDS querem surgir como dedicados e impolutos cidadãos ao serviço dos pobres,velhos,doentes e abandonados?

Quais são as contas da plataforma que preparou milhares de jovens para receber 4500 refugiados que se resumiram a um número muito pequeno, e, então, quem nos informa,etc. etc. etc?

É LAMENTÁVEL QUE ESTE GOVERNO NÃO COMBATA A CORRUPÇÃO, porque obviamente apanha muitas pirâmides mafiosas de amigos, mas têm de ter essa coragem ou SAIAM do governo . da PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA E DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA !

Todavia, o meter dinheiro ao bolso, gestão danosa ou ruinosa é CRIME, a ser entregue às policias de investigação Criminal. Só são UM CASO POLITICO, QUANDO E SEMPRE QUE O GOVERNO ENCOBRIR, de resto são matéria, aqui ou em qualquer parte do Mundo civilizado , casos de policias, tribunais e cadeia, quando for o caso.

Entretanto a YURD? pois..pois...

GRITO:


Toda a gente honesta do PS,PCP etc,etc, têm de Assumir o  combate  contra a corrupção - é o nosso sistema de capitalismo  tumoroso. Porém, tudo isto está quase falido, o sr. Rui Rio que parecia Impoluto,dizem  está a receber uma grande maquia de uma sitio que nada lhe tinha de pagar, a não ser que.... 

Estes ..... MATAM ABRIL !

E estes outros... consentem

Andrade da Silva

Contra a CORRUPÇÃO CIDADÃOS EM FRENTE!

Nesta pais de brandos costumes, com a quase totalidade dos cidadãos distantes de tudo o que é cidadania - para a maioria esta reduz-se a s...
LIBERDADEECIDADANIA.BLOGSPOT.COM

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

E ESTE BLOCO DE ESQUERDA E ETC.ETC ? LOGO ?????



Catarina Martins grandes e efusivos cumprimentos a António Costa, como vemos nas  TV, após as  discussões parlamentares, o que, devia querer dizer-  OH meu caro 1º Ministro, quiçá camarada, tudo bem!...

Mas... afinal a mesma Catarina Martins diz que este governo, que apoia, é permeável (que quer dizer?) aos grandes interesses? Logo???????

Entretanto, Marcelo Rebelo de Sousa depois de ter dito cobras e lagartos sobre a eventual nomeação de Centeno para o Eurogrupo, aquando da nomeação ergueu a sua taça de  champanhe e que era uma grande vitória do país e do governo, porém, como está sempre na TV, voltou a dizer que afinal há muitos perigos para Portugal com  aquela sua nomeação,e que o orçamento de 2019 tal e coisa, enfim.... logo ????????

Todavia, Centeno ganhou o prémio- eurogrupo-  por ser capaz de fazer o que está a fazer, não combater a corrupção, e manter as  TSU para os bancos, sendo apoiado na Assembleia da República pelo PCP  - um verdadeiro milagre dos tempos pós-modernos-  além da fuga de capitais de 8 mil milhões de euros em 2017 se manter para os paraísos fiscais. Todavia, Centeno restituiu a totalidade dos vencimentos aos funcionários públicos -muita gente - um acto de justiça  para eles  que tinham sido,  coisa e tal, fritos,  como quase todos nós,  pelo anterior governo de terror, e, por consequência,   Portugal está bastante melhor " inté." se ver... que Louçã não tenha razão nos seus TERRÍVEIS agoiros ... mas...coisas......logo ???

Mas.. Portugal : governo e a Assembleia. foram HERÓICOS ,ao condenarem  a atitude agressiva, violenta e  da guerra de Trump ao anunciar a  mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém. VIVAM!

E como em Portugal somos muito honestos, houve 2204 processos de  corrupção em 2017, mas que   devem ser os processozinhos de lana caprina, ficam de fora os corruptos que nos DEGOLAM... coisas...logo????

andrade da silva

PS:

Mais um vergonhoso caso de corrupção que nada tem de DOENÇA RARÍSSIMA - CORRUPÇÃO UM  CRIME LESA-PORTUGAL ,então, porque não se Levanta o POVO, não se mexem os partidos, porquê? Porquê? Porquê? E quando calarem toda a comunicação social como será. Quanto nos falta para chagarmos à Ditadura da Corrupção, dos corruptos?

domingo, 10 de dezembro de 2017

05 - POEMÁRIO, * Rimance do imenso mar


(O MEU RIMANCEIRO)

Rimance do imenso mar








Era imenso, imenso o mar

que se abria à nossa frente!

Gritava o vento: é urgente,

é urgente navegar!



Mães, esposas, prometidas,

em lágrimas e oração,

previam a perdição

nas águas desconhecidas.



E num balbucio aflito,

imploravam: não nos tente

este mar à nossa frente

com seu apelo maldito!



E que se cale este vento

de lamentos de sereias

vestindo as nossas areias

de luto e de sofrimento!



Mas o mar, o imenso mar

que se abria à nossa frente

escutava indiferente

tanto medo e tanto orar.



Filho da terra, o arvoredo,

cortado e bem trabalhado,

era agora um novo arado

sulcando as águas do medo.



Como um berço, sobre as águas

baloiçava docemente…

E não via à sua frente

um mar de medos e mágoas.



Quando içou as brancas velas,

sentiu o afago do vento

e sonhou nesse momento

o sonho das caravelas.



Um sonho ainda menino,

mas tão grande como o Mundo!

E o sonho não foi ao fundo…

O sonho era o seu destino!



Mais tarde, quando outra gente

baniu o sonho menino,

ergueu este desatino

que agoniza decadente…





José-Augusto de Carvalho
Alentejo, 9 de Dezembro de 2017.

Pensamentos: Platão, Aristóteles e Maquiavel (I)

Aristoteles e Platão

Nota: Na sequência do texto anteriormente publicado (https://liberdadeecidadania.blogspot.pt/2017/12/aristoteles-maquiavel-pensamentos.html )formulei um pedido ao nosso grande amigo Dr. José António para responder a questão que lhe apresentei , ao que acedeu fazendo este  maravilhoso  trabalho com que todos podemos beneficiar Bem-Haja!



Responder às questões que nos atormentam e nos levam a reflectir sobre a sociedade actual no presente, não tem natureza fácil. Em primeiro lugar, temos que considerar a natureza humana, cujo raciocínio e exercício é complexo. Em segundo lugar, levar em consideração as raízes sociais e culturais, isto é, a origem da nossa cultura, cuja origem tem os seus fundamentos na cultura romana, ou melhor, Greco-Romana.

Face  ao desafio lançado pelo meu caríssimo amigo Dr. Andrade da Silva, numa tentativa de resposta perante “.... o diagnóstico, o prognóstico linear que resulta do mesmo, mas, assim, estamos sem futuro e Maquiavel teria razão absoluta. Todavia acredito na possibilidade de futuro, mesmo que mínima, portanto que fazer para superar esta morbidade. Deixo-te o desafio para um texto de resposta a esta questão.  Se  isto é assim, então , o que fazer? Logo pedia-te este exercício.”

Tal de facto, não tem resposta fácil, mas penso que talvez seja possível perceber este problema, nos pensadores do passado e presente para talvez compreendermos o futuro.

Platão afirma:

Em primeiro lugar vem a timarquia (…); a oligarquia que lhe sucede não tarda, em geral, a ser suplantada pela democracia; enfim, no último grau, a tirania consuma o triunfo da injustiça. A estes quatro tipos de constituições viciosas correspondem quatro caracteres da alma nos quais se afirma o progresso na ignorância e do mal. Do abalo inicial, que provoca a decadência do governo e dos costumes da aristocracia, produz-se no dia em que as raças de ferro e bronze ascendem ao poder.” A República, Platão, pp. 44.

“A passagem da timarquia à oligarquia efectua-se da maneira mais simples. O gosto pelas riquezas, transformando-se em avareza, converte-se no móvel principal da actividade dos cidadãos. Eles acumulam, entesouram, e, quanto mais estima concedem à fortuna, menos dessa estima conservam pela virtude. O peculiar ao governo oligárquico é adoptar o censo como medida de capacidade para o exercício do poder. Mas o absurdo deste critério, que priva o Estado de grande número de talentos aptos a servi-lo, quase não carece de demonstração. (…) Assim a oligarquia repousa sobre um principio vicioso. Dividindo os cidadãos em dois clãs adversos, dos ricos e dos pobres, quebra irremediavelmente a unidade do Estado cuja segurança é, aliás, incapaz de garantir. (…) A constituição oligárquica opõe-se portanto, à manutenção da divisão do trabalho. Cumpre, além do mais, denunciar, como seu maior vício, o liberalismo económico que introduz no Estado. A República, Platão, pp. 45.

“Ao terceiro grau de decadência corresponde a democracia. Ela é o produto dos mesmos factores que a oligarquia, porém elevados, se se pode dizer, a maior potência. A oposição entre ricos e pobres cresce dia a dia, sem que a classe dirigente, preocupada unicamente em enriquecer, cuide de conjurar os temíveis efeitos deste antagonismo. (…) Gente sobrecarregada de dívidas ou manchada de infâmia – assumem a chefia do povo e o incitam à revolta. Esperam, graças à revolução política, recuperar a posse dos bens que dissiparam, ou apagar a vergonha que lhes enodoa os nomes. (…) Quais são, agora, as características deste governo nascido da guerra ou da sedição? Ele pode pretender a tudo menos à unidade, porquanto é um composto de instituições das mais diversas e das mais inconciliáveis. Daremos uma justa ideia dele representando-o como uma espécie de “bazar de constituições” onde o amador só tem o trabalho de escolha. É comparável, ainda, a estas variegadas vestimentas que constituem a alegria das mulheres e das crianças, mas que os homens de gosto acham ridículas. E isto será exibi-la à luz mais favorável, pois se esta variedade, esta rica policromia, representa um defeito aos olhos do filósofo, não carece de encanto para o artista que se compraz no domínio das aparências. Mas o exame nos revela uma realidade muito menos sedutora: é da essência da democracia conceder aos cidadãos uma liberdade demasiado grande que degenera fatalmente em licenciosidade. Que ordem com efeito, continua possível, quando toda coerção é abolida, quando as regras morais são abandonadas ao juízo do primeiro a chegar, que as adopta ou as rejeita, conforme os caprichos de seu humor ou dos propósitos que concebeu? (…) Para alcançar as mais altas funções, não é preciso estar preparado por longos trabalhos, ter auferido os benefícios de excelente educação e ter-se exercitado, desde a infância, na prática de todas as virtudes. Ao homem que ingressa na carreira política, ninguém pede que dê prova de sua ciência e sabedoria, assim como da honestidade de seu passado. (…) E não tarda a vir o momento em que, “a estes sábios embaixadores enviados por sábios anciãos, ele fecha as portas do recinto real da sua alma”. Nesta acrópole, os desejos pródigos reinarão doravante sem freio nem lei.A República, Platão, pp. 46-47.

Está, com efeito, da ordem da natureza que à licenciosidade extrema suceda extrema servidão. Por seus excessos mesmos, a democracia engendra inevitavelmente a tirania. O povo, alterado pela liberdade, tendo prestado ouvidos a maus escanções que o embriagam com este vinho puro para além de toda a decência, perde logo o controle de seus actos, apavora-se com a menor sombra de coerção e trata por oligarcas os que gostariam de mante-lo nos caminhos da prudência. Seu favor bafeja, em compensação, os espertos que afectam maneiras simples e lhe lisonjeiam os pendores grosseiros. (…) Crendo assim aumentar a própria força, aumenta na realidade, desmesuradamente, a do homem que se tornará o senhor dela. (…) Com efeito, celebram eles os louvores da tirania e gabam a sorte dos tiranos “aos quais o comércio dos hábeis torna hábeis”. Acabamos de verificar de que espécie de habilidade se trata e quão invejável é! Os que a apreciam, pois que procurem outros Estados para trabalhar pelo advento da tirania e da democracia. Sob estes regimes, são honrados e enriquecem. Mas à medida que remontam o declive das constituições, o renome deles enfraquece “como se a falta de fôlego o reduzisse à impotência de ir adiante”.”    A República, Platão, pp. 48-49.

Aristóteles afirma: "Os homens começaram a filosofar, tanto agora como na origem, por causa do maravilhamento: no principio, ficavam maravilhados diante das dificuldades mais simples; em seguida, progredindo pouco a pouco, chegaram a se colocar problemas sempre maiores, como os relativos aos fenómenos da lua, do sol e dos astros e, depois, os problemas relativos a origem de todo o universo."

Assim, a raiz da filosofia é precisamente esse"maravilhar-se", surgido no homem que se defronta com o Todo. Seguindo o raciocínio de Aristóteles: Não apenas na origem, mas também agora e sempre, a antiga pergunta sobre o todo tem sentido? E terá sentido enquanto o homem se maravilhar diante do ser das coisas e diante do seu próprio ser.

"Não se deve dar ouvidos aqueles que aconselham ao homem, por ser mortal, que se limite a pensar coisas humanas e mortais; ao contrario, porém, na medida do possível, precisamos nos comportar como imortais e tudo fazer para viver segundo a parte mais nobre que há em nós." Aristóteles.

A Politica foi uma das obras mais lidas e mais apreciadas. Afasta-se notavelmente da República de Platão, que tem um carácter idealista extremo e que, em certos aspectos, revela-se utópico, e avizinha-se mais ao espírito do Político e das Leis que, em certa medida, levam em conta as instâncias realistas.

Devemos salientar a grandiosa representação do homem como "animal politico", o homem não é autárquico e por isso tem a necessidade da relação com outros e de entrar em comunidade. Da relação de homem e mulher que leva à família, passa-se à comunidade da aldeia, e da comunidade das aldeias se chega à Cidade (ao Estado).

O Estado, que é o último cronologicamente, é, ao contrário, primeiro ontologicamente, porque é como o "todo" da qual as aldeias e a família são as partes, e é justamente o "todo", e apenas o "todo”, que dá sentido às partes.

A ética a Nicómaco constitui uma das grandes obras filosóficas de Aristóteles que se impôs como ponto de referência imprescindível para qualquer pessoa que trate desta problemática de modo sistemático.

O bem supremo para o homem, afirma Aristóteles, concordando com a convicção de todos os pensadores gregos em geral, é a felicidade. Esta, porém, não consiste, como comummente se diz, nas riquezas ou nos prazeres ou nas honras, e sim na virtude, ou seja, na explicação e actuação das peculiaridades do homem, ou seja, em uma vida e actividade da alma segundo a razão.

A este respeito, Aristóteles distingue as "virtudes Éticas" e as "virtudes Dianéticas", as primeiras referindo-se às partes irracionais da alma, as segundas, pelo contrário, à parte racional. As virtudes éticas consistem em encontrar e adquirir o meio justo entre os excessos e as faltas nos quais nos levariam os apetites e as paixões nas nossas acções. As virtudes dianéticas consistem na actuação da razão considerada em si mesmo.

Segundo o professor José Hermano Saraiva, (1999), “os romanos dominaram completamente toda a Península Ibérica durante mais de 5 séculos. Costumam referir-se as datas de 146 a.C. e depois 409 d.C., que é quando veio os Bárbaros. Durante esses perto de 600 anos, a influência que os romanos têm na península é tão grande, tão grande, que nós hoje nem sequer conseguimos saber qual seria a linguagem que falávamos antes da vinda dos romanos. Porque o que hoje falamos é a que os romanos nos ensinaram, falamos o latim. Claro, um latim já muito corrompido e estropiado, mas é Latim que nós falamos.Mas não foi só na linguagem, as técnicas de construção civil, as leis, que ainda hoje são decalcadas nas leis romanas, a agricultura, a organização das cidades. Foi tudo!Depois da vinda dos romanos passamos a ser uma colónia da Itália, uma região onde se fala o latim, em que se pensa em latim, em que os homens se divertem à maneira dos latinos, e é claro, que isso tem consequências decisivas na história da civilização peninsular.Portugal hoje é uma nação românica, isto quer dizer, somos uma Pátria filha de Roma.”

A civilização romana passou de uma monarquia para uma república clássica e, em seguida, para um império cada vez mais autocrático.

A história da república romana, por mais de dois séculos após a sua fundação, consistiu quase totalmente em guerras. As causas determinantes dessa série de conflitos não são fáceis de explicar.

Não muito tempo após o advento da república, teve início uma luta dos cidadãos comuns por uma maior participação no poder político. Antes do fim da monarquia a população romana fora dividida em duas grandes classes: os patrícios e os plebeus.

Como diz Theodor Mommsen, os romanos, desde o tempo de Tarquínio até o de Graco, "nunca abandonaram realmente o princípio de que o povo não devia governar, mas ser governado". Graças a essa atitude a atribuição de amplos poderes legislativos à assembleia parece não ter passado de mera formalidade, pois o senado continuou a governar como antes. Nem teve também qualquer efeito liberalizador a admissão dos plebeus à senatoria. Tão alto era o prestígio dessa instituição e tão profunda a veneração romana pela autoridade, que os novos membros logo submergiram no conservantismo dos velhos.

Em consequência dessa revolução económica e social, Roma passou de uma república de pequenos fazendeiros a uma nação composta em grande parte de parasitas e escravos. Embora a propriedade nunca tivesse sido equitativamente distribuída, o abismo que então passou a separar ricos e pobres foi muito mais profundo do que antes.

“O último século da república romana é um período de revolução. Desmorona-se o velho mundo para se formar outro com traços ainda pouco definidos. Coligações, tiranias e ditaduras sucedem-se tão rapidamente que não parece possível que algo orgânico surja de um conflito tão longo. Surpreende o vigor de Roma e a abundância de grandes homens. Os Gracos, Mário e Sila (ou Sula), César e Pompeu, Cícero ou Catilina, são nomes conhecidos por toda a gente. Todos os que participaram nas conspirações, nos motins e nos escândalos da revolução, colaboraram na grande obra de estender a influência de Roma pelo Oriente e pelo Ocidente da Europa.”, In História Universal, 2005, Vol. VI, pp.167.

José António Bragança

Na parte II , a publicar

Como pode ser explicado esse quase fracasso do génio político dos romanos no melhor período de sua história?

..............................................




Comentário:

Parece que a regra de oiro se mantem 


Ao homem que ingressa na carreira política, ninguém pede que dê prova de sua ciência e sabedoria, assim como da honestidade de seu passado. (…) E não tarda a vir o momento em que, “a estes sábios embaixadores enviados por sábios anciãos, ele fecha as portas do recinto real da sua alma”. Nesta acrópole, os desejos pródigos reinarão doravante sem freio nem lei.” A República, Platão, pp. 46-4...... 

logo???? o risco da democracia se tornar ditadura parece ser uma regra fatal????
as

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

SENTIR



Sinto-te branca, lânguida,
próxima...
corpo com corpo, nus
alma com alma. exultantes.
uma água azul,tépida,
envolve- nos.
amamos, 
sexo,  vibração, fúria
vulcão
e, como nas tempestades,
a distância tudo amaina.
Tão longe,
nada acontece,
 sobrevive o desejo, o sonho,
a palpitação em dó menor,
enfim:
dia, noite;
amanhecer, entardecer -
um só tempo
nada-nadas!

joao

2017-12-08

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

05 - POEMÁRIO * Em louvor da Vida


(TEMPO DE SORTILÉGIO)

.

Em louvor da Vida





Na dimensão do todo, encontro-me plural.

Deveras quero ser uma acha da fogueira.

Anónima, uma acha, entre outras, da lareira

ardendo no teu lar em noite de natal.



Que importa se o natal apenas é um mito?

Importa é que no frio o fogo te acalente

e que no teu sonhar não sintas interdito

o mágico devir que alente o teu presente.



No ventre da mulher germina a utopia

da vida que floresce em cada primavera,

num ciclo que se cumpre em transe natural.



Na tua/minha voz suave a melodia

que a condição de ser e de mistério gera,

louvando em cada parto o mito do natal.





José-Augusto de Carvalho
Alentejo, 7 de Dezembro de 2017.

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

SOUSA E CASTRO ACLAMA E PROCLAMA A VITÓRIA DE CENTENO, COMO UMA NOVA ERA






Veremos ??????????



MAS TUDO PARECE SER MAIS UM PRÉMIO AO PS POR TER CONSEGUIDO TÃO VIRTUOSOS ACORDOS COM O PCP, but...Coisas???....

Ou estão a seguir a estratégia da Igreja de Roma na eleição do Papa, será?
Todavia, a Alemanha a médio prazo nunca perdeu nenhuma guerra, e sempre lutou por mão de obra barata e mercados para as suas industrias. Para já, e antes de mais, é um bom lugar para o sr. Centeno. O sr. PPC foi uma tragédia Nacional que até Rui RIo reconhece, portanto..
Mas onde e quando em Portugal puseram durante estes 2 anos os grandes lucros, a corrupção,o amiguismo, as rendas escandalosas em causa, ou mesmo o brutal aumento de impostos do PPC no grupo da chamada classe média, mesmo a baixa.?
Se ele mudar a Europa como Durão Barroso fez ou Guterres está a fazer no Mundo que Europa de Futuro, teremos no Futuro?
Mas, o que mais desejo é o Abril da Liberdade,da Honestidade em Portugal e na Europa, todavia,  como por aqui, centenas cantam o hino de vitória, se estiverem certos, como têm sempre estado,  estamos falados.....
PPC foi uma tragédia e uma Ignomínia, mas Portugal tem o direito a ser um estado de DIREITO, tão simples, e não o é.
E se o PCP olhar para o que se passa no interior do SNS, com o fecho de grandes hospitais de Lisboa etc.? E se a IntersIndical olhar mais para a qualidade do emprego e trouxer a coisa à luz do dia? Como será?
Não será que Centeno e o PS ganharam, sobretudo, um prémio por ter posto o PCP a.... etc..etc..



Contudo, 2018, 2019 falarão mais alto. Este senhor não atacou as TSU do estado e do povo para os bancos e grandes empresários,o que torna o pais " pobre, doente e abandonado"

E quando falam de Centeno e Syrizas my god.! Quanto ao Syriza, logo no início disse que eles iam para o buraco até um dos fanáticos apoiantes desse desvario cortou relações comigo.
Numa coisa acertou Sousa e Castro o PSD em Janeiro será outro , e se Rui Rio for o novo líder ,ai ai ...no discurso vai mudar muito,muito e muito,  se for Santana Lopes é mais do mesmo....

andrade da silva